UM MUNDO TODO MEU

Neste mundo de novidades, nesta terra de ninguém, te convido a adentrar sem pudor. Viaje de olhos abertos e asas aos ventos, porque nem tudo o que parece é, mas tudo o que é, pode parecer com você!!



terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

AS PASSADAS NO SALÃO







I

Ela girava a bailar

em todo o salão,

uma guria assanhada

que com sua saia rodada

fazia todos deslumbrar-se

em labaredas incêdiosas.

Essa era sua nobre missão,

conduzir os olhares múltiplos

para o meio do salão,

cada instante;

bailante,

ela cometia graves delitos.

Não era marginalizada


pois, aqueles olhares


impetuosos de homens


já exaustos...

buscavam nela um último

refúgio escravizado.
Verdadeiros afetos,

de tempestuosas torres

vadias a mercê;

com um assobio delicioso

ela se desventurava,

levava-se no peito o sorriso

fatigado de criança,


mas, em seus lábios


haviam a maior perspicácia


ao rir-se de gozo.



II
Em seus olhos carregava

uma aflita sensação

de morte ignóbil.
Semblante pesado,

castro de felicidade.

Na verdade;

ela não parecia ter medo,

da soberba morte.

Ousava consagrar-se

ao ligeiro castigo

que merecia receber;

Era sagrado seu momento,

sua partida deveria ser digna,

ou somente: decente.

Sem gritos terríveis

como revelação perversa

de seu bailar ultrajado

no meio do salão,

ela deleitava-se em restaurar

sua fraudulenta vingança

de todos os homens.

Homens estes, maquiados,

falsos dementes, estúpidos,

seres que desejavam seu arrepio.

Mas, que resignavam-se

no corpo

o desafeto morto,

que se fez muitas vezes

rolar em sua pálida face

lágrimas desgostosas

de um ódio impune.


III

Ela então,

deixou-se cair;

alí mesmo no meio do salão.

Os desventurados buscaram

socorrê-la em pressa

simultânea; simultânea...

mas, ela havia partido,
deixou-se ir à toa,

numa viagem absoluta,

intuito seu;

sempre quis fluir

a virginal pureza,

agora mais límpida,

deixou-nos sua nobreza bailante:

Insinuante

a girar no meio do salão, 

tornou-se eterna e funesta guria.


Daiane Durães

Um comentário:

  1. COMO PARTICIPAR NAS EDIÇÕES DO EPISÓDIO CULTURAL?
    O Fanzine Episódio Cultural é uma publicação bimestral sem fins lucrativos, distribuído na região sul de Minas Gerais, São Paulo (capital), Belo Horizonte e Salvador-BA. Para participar basta mandar um artigo: poema, um conto, matérias (esporte, arte, sociedade, curiosidades, artesanato, artes plásticas, turismo, biografias, sinopses de livros e filmes, curiosidades, folclore, moda, saúde, esporte, artes cênicas, biografias, etc.) em Times Roman 12.
    Mande em anexo uma foto pessoal para que seja publicada juntamente com a matéria. Se desejar, você pode enviar uma imagem correspondente ao assunto abordado. Caso o artigo não seja de sua autoria, favor informar a fonte.
    PARA ENTRAR COM CARLOS (Editor)
    Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=1464676950&ref=profile
    machadocultural@gmail.com

    ResponderExcluir